domingo, 3 de novembro de 2013

Resenha Febre Negra

Título: Febre Negra (Darkfever)
Autora: Karen Marie Moning
Editora: Novo Século
Série Febre (Fever) - Livro Um das crônicas de Mac O’Connor

Livro indicado para quem:
-Gosta de personagens masculinos marcantes (e viciantes)
-Gosta de histórias com Fadas e outros monstros bizarros (Gênero: Fantasia Urbana)
-Gosta de personagens mais maduros

Resumo:
MacKayla Lane vem vivendo uma vida maravilhosamente comum, como tantas outras garotas de 22 anos de Ashford, na Geórgia. Até que sua irmã é assassinada durante um intercâmbio na Irlanda e deixa uma misteriosa mensagem na caixa postal do celular de MacKayla. 
A busca pelo assassino da irmã leva Mac a se deparar com fatos que não consegue explicar e poderes que nunca achou ter. Quando Jericho Barrons propõe um acordo de ajuda mútua, Mac vê nele a chance de continuar viva para sua vingança, embora seu misterioso parceiro não se mostre nem um pouco confiável.

Resenha:

Topei com este livro totalmente por acaso e – pasmem! – nunca tinha ouvido falar dele até então! A narrativa é em primeira pessoa, o que nos deixa bem próximos da personagem principal (MacKayla Lane). Conseguimos perceber todas as nuances de seus sentimentos: cada palheta de dor, desejo, curiosidade, medo. E ao mesmo tempo em que a narrativa é fluida e leve, é profundamente sensível e realista.
A heroína não é uma heroína. É apenas uma garota comum que foi atraída para uma cruel realidade pelo turbilhão em que se transformou sua vida após a morte da irmã. Não é tipicamente corajosa, apenas continua seguindo em frente movida pelo amor pela irmã e pelo desejo de vingá-la. O vilão, o mocinho... Quem são? Não dá para saber, pois vemos o mundo através dos olhos de Mac, e ela não confia – e nem mesmo poderia confiar – em ninguém.
A verdade é que tanto Jericho Barrons, o colecionador de objetos e livros raros, quanto V’lane, o príncipe Fae, são sedutores, poderosos e enigmáticos. Ambos oferecem ajuda a Mac, coisa que ela não pode recusar, principalmente tendo uma legião de Unseelie em seu encalço. No entanto, não dá para saber qual opção é a mais perigosa.
A narrativa de Moning utiliza elementos da sociedade celta, claro, com adaptações. V’lane, por exemplo, é um Fae (fada), mas esqueça as asinhas coloridas e a fofura. Fae são lindos e sedutores (pelo menos os Seelie), mas muito cruéis. Isso porque para eles os seres humanos são totalmente descartáveis e eles não sentem mais culpa de matá-los do que os seres humanos de esmagar uma barata com Havaianas.
Jericho Barrons é igualmente cruel. E para começo de conversa nem ao menos sabemos o que ele é. Basta dizer que ele é muito forte e que pode repelir as Sombras (uma casta de Unseelie). Disfarçado em uma fachada de ternos de 10 mil dólares e postura refinada há um ser selvagem e frio à espreita, que não mede esforços para conseguir o que quer.
Os embates entre a astuta Mac e ele são demais, para não falar de tirar o fôlego. Diálogos engraçados e por vezes sedutores deixam antever que o relacionamento dos dois tende a ficar cada vez mais profundo e sensual. De todos os personagens masculinos de livros com temática sobrenatural, Jericho Barrons é de longe o mais marcante com o qual já tive a oportunidade de flertar. E pelo visto não sou só eu que penso assim, o personagem Jericho Barrons ganhou um concurso virtual de romances sobrenaturais de melhor “Macho Alfa”. Não riam. É sério. Não dá para explicar, talvez seja sua frieza e segurança, ou todo o mistério que o envolve, o fato é que aqueles – e principalmente aquelas – que não o conhecem estão perdendo muito tempo.
Vejo nesta narrativa os elementos perfeitos para um filme, que com certeza faria sucesso! Soube que a Dreamworks havia comprado os direitos para o cinema, mas como não adaptaram no prazo máximo estipulado, os direitos voltaram para a autora, Moning.

Pg. 40 – Quando MacKayla entra na Barrons Livros e Miudezas pela primeira vez.

De fora eu esperava encontrar uma loja de livros e raridades charmosa e pequena com as dimensões de uma Starbucks em alguma universidade. O que eu vi foi um interior imenso, que abrigava uma coleção de livros que fazia a biblioteca que a Fera da Disney deu para a Bela no dia do seu casamento parecer incompleta.
A propósito, eu amo livros, muito mais do que filmes. Filmes lhe dizem o que você deve pensar. Um bom livro deixa você mesmo escolher alguns de seus pensamentos.

P.S. Sim, eu me identifiquei com MacKayla Lane. E amei isso.

E o livro Febre de Sangue (Livro Dois) é igualmente maravilhoso. 


4 comentários:

Evy disse...

Esse é o livro que você comentou comigo, né?
Parece mega bom, fiquei curiosa pra conhecer esse Jericho!
Bjs

Cíntia Mendes disse...

Sim, é esse Evy... recomendadíssimo! Bjo

Shelei disse...

Nossa Cin...fiquei louca p conhecer esses personagens...é dificil encontrar personagens marcantes :)

Amo histórias sobrenaturais...quero ler esse...ahhh, seu blog esta maravilhoso viu, quando leio parece que estamos sentadas frente a frente batendo papo!

Parabens :)

Cíntia Mendes disse...

Linda, tenho certeza que você vai amar! Super recomendo...rs...
Obrigada, She, ainda bem que gostou chefa! Bjo

Postar um comentário