domingo, 9 de março de 2014

Resenha Jogos Vorazes

Título: Jogos Vorazes
Autora: Suzanne Collins
Editora: Rocco
Série Jogos Vorazes, Vol. 1

Este livro é indicado para:
- Quem gosta distopias;
- Quem tem nervos de aço;
- Todo mundo!!!

Resumo: 

A maior atração de Panem são os Jogos Vorazes: um Reality Show aonde dois jovens de cada Distrito da nação competem em força, inteligência e habilidade. Quem conseguir sobreviver aos perigos da arena e matar todos os outros competidores, vence os Jogos e garante uma futuro mais confortável. Participar dos Jogos Vorazes é um pesadelo para todos os jovens do pobre Distrito 12, onde Katniss mora. Mas quando sua irmã é sorteada para participar da competição, Katniss não exita em tomar o seu lugar. Resta agora treinar e lutar para que a arena não tire a sua vida e a sua humanidade. 

Resenha:

Agora finalmente eu entendo todo o falatório sobre Jogos Vorazes... O livro tem de tudo: Ação, romance, intrigas políticas, drama...
Os personagens são tão carregados de profundidade que dá medo de virar a página e perder algum deles, porque então estaríamos perdendo uma vida humana. Na verdade, quando isso acaba de fato acontecendo na história, não vi outra saída a não ser chorar a perda e pagar o maior mico da minha vida dentro de um ônibus cujos passageiros me olhavam com curiosidade e pena. Suzanne Collins sabe dar vida aos personagens e sabe descrever um lugar fazendo com que eu caminhasse por ele sem dificuldade. 
Desta forma, minha leitura fluiu rapidamente e comecei a achar um sentido em cada ação de um personagem , em cada jogada política, como se eu vivesse em Panem. 
Katniss, a personagem principal, não é mais uma chata certinha e indefesa como tanto vemos. Ela não quer ser a salvadora, não é boazinha. Chega a ser até mesmo egoísta, as vezes. E por isso ela é tão verdadeira quanto eu ou você. Mas também não chegar a ser o estereótipo da anti-heroína. Enfim, fantástico. 
Para quem gostou do filme, leia o livro! Tem muito mais informação para compreender melhor a história e as decisões dos personagens. Estes, aliás, são muito mais do que aparentam ser. 
Não sei mais o que dizer para exprimir minha satisfação com esse livro, ele é marcante, realista, bem construído... Para mim, com certeza um marco na literatura e na minha vida. 

Pg. 36
Eu não podia ir para casa porque lá estavam minha mãe com seus olhos mortos e minha irmãzinha com suas bochechas descarnadas e os lábios rachados. Eu não podia entrar naquela casa, que era aquecida com os galhos úmidos queimados que eu havia escavado na borda da floresta depois que o carvão acabara, com as mãos vazias de qualquer esperança. 

Pg. 63
Uma vez minha me disse que eu sempre comia como se estivesse vendo a comida pela última vez. E eu disse: "Só não é a última vez porque sempre trago comida para casa". Isso fez com que ela calasse a boca. 

Pg. 134
Meu espírito. Isso é uma novidade. Não sei exatamente o que significa, mas indica que sou uma lutadora. De uma maneira mais ou menos corajosa. Não sou sempre antipática. Tudo bem, não saio por aí amando todo mundo que encontro pelo caminho, meus sorrisos não aparecem com facilidade, mas me importo com as pessoas.  

2 comentários:

Evy disse...

Fico feliz que você tenha gostado dos livros!
E concordo contigo, a Suzanne Collins sabe como prender o leitor!

Bjs

Cíntia Mendes disse...

Ah, Dona Evy... e a culpada disso é você!

Postar um comentário