Páginas

domingo, 22 de junho de 2014

Resenha Gone


Título: Gone: o mundo termina aqui
Autor: Michael Grant
Editora: Galera Record
Série Gone, Livro 01

Este livro é indicado para quem:
- Gosta de ficção científica;
- Gosta de aventura, mistério e suspense;
- Gosta de X-Man.

Resumo:

Crianças e adolescentes até 14 anos se veem em uma sociedade totalmente nova após o sumiço inexplicável de todos os adultos. Não é possível pedir ajuda ou fugir, apenas enfrentar os estranhos fenômenos que os cercam e a ameaça da fome, do caos e do medo do desconhecido. Como fazer essa sociedade dar certo? Quem cuidaria dos bebês e das crianças menores? E dos doentes? E dos incêndios? E quem lutaria contra a violência imposta pelos mais fortes? 


Resenha:

Este livro me fisgou demais, desde a primeira resenha lida até a última página. 
Se tem coisa que eu gosto é de história inovadora, interessante e loooonga. Não sei se há outros livros parecidos com este, eu, pelo menos, nunca havia lido nada assim. E amei!
Imagine uma cidade em que todos os adultos sumiram de uma hora para a outra, deixando apenas crianças e adolescentes até 14 anos. Imagine como seria uma sociedade formada por essas crianças e adolescentes. Agora, imagine, que não há como fugir dessa cidade ou pedir ajuda, e que animais estão sofrendo mutações horrorosas e as crianças e os adolescentes estão adquirindo habilidades especiais. Ah! Esqueci de dizer que nesta cidade há uma usina nuclear aonde anos atrás houve um misterioso incidente e que tudo isso pode estar interligado. 
Além de toda essa mistura maluca, a parte que mais me encantou foram as hipóteses científicas por trás dos fatos, que vão desde universos paralelos (multiverso) a conceitos de física quântica... Calma, nada introduzido de forma chata ou complicada, é que numa situação assim faz total sentido que as pessoas comecem a formular hipóteses, então tudo surge de forma bem espontânea. 
As hipóteses sociológicas também são interessantes. É totalmente crível que em um uma situação extrema as pessoas reajam da forma retratada no livro, isto é, os mais fracos buscam alguém para seguir, alguém que os proteja. Os valentões surgem aos montes, querendo impor sua vontade num momento de crise. Os juízos de valores sofrem mudanças bruscas e todo o tipo de especulação religiosa aparece. 
um ponto forte são os personagens, bem diversificados, para todos os gostos. Mesmo os que eram fúteis ou fracos vão amadurecendo ao longo da trama e ficando mais complexos, até mesmo os valentões, que eram bem clichês, melhoraram. 
Não consegui definir qual meu personagem favorito, são muitos: Edílio, com toda a sua coragem; Astrid, com sua inteligência; Lana, com a habilidade que mais me fascinou; Sam, com sua simplicidade; o misterioso Pete; a compaixão da Maria; a força da Dahra... Para falar a verdade, até os vilões são bacanas, no sentido de serem bem construídos. O único que me incomodou de verdade da primeira a última página foi o Quinn: sempre fraco, medroso, reclamão... Afe! Que saco! 
É um livro que te deixa com vontade de virar páginas e mais páginas, porque cada hora é uma novidade que aparece, um mistério que se revela e mais outras 10 perguntas sem respostas que surgem! Uma loucura. Não vejo a hora de ter em mãos a continuação, pois a tendência é que tudo fique muito mais difícil e fascinante! 

Pg. 322 - Astrid tentando explicar o que está acontecendo. 
- O universo tem certas regras. Como o sistema operacional de um computador. Nada do que estamos vendo poderia acontecer a partir do programa do nosso universo.(...) Essas coisas não são simplesmente mutações: são violações das leis da natureza. Pelo menos das leis da natureza que conhecemos. 

0 comentários:

Postar um comentário